| | EN PT

22/10/2021

Algodão brasileiro: extrapolando as fronteiras do Mundo

Filipe Mamede*

A colheita da safra 2020/21 de algodão terminou oficialmente em setembro. Agora, a fibra segue para o beneficiamento. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra 2020/21 deverá atingir 2,35 milhões de toneladas. O Brasil está entre os cinco maiores produtores mundiais ao lado de China, Índia, Estados Unidos e Paquistão. O País também figura entre os grandes exportadores e passou do quarto para o segundo lugar em exportações nos últimos 10 anos.

A cada ano, a fibra brasileira bate novos recordes e amplia a sua presença pelo mundo. Os países asiáticos são os maiores compradores do nosso algodão. O crescimento da produção brasileira e da exportação seguem de maneira exponencial e, em paralelo, está a trajetória da SLC Agrícola – uma das maiores produtoras mundiais de grãos e fibras. A companhia possui 22 fazendas, em sete estados, sendo 20 com o plantio da pluma, e tem sido uma das protagonistas da elevação do mercado brasileiro pelo mundo. Em 2020, comercializou 209 mil toneladas de algodão.

A relação da SLC Agrícola com o processo produtivo da cotonicultura teve início em 1998 com o primeiro plantio na Fazenda Planalto, em Costa Rica (MS), em uma área de aproximadamente 300 hectares, com a produção de cerca de 500 toneladas. O objetivo era atender o mercado doméstico. A empresa investiu na produção da fibra e passou a ser reconhecida pela alta qualidade de sua produção, pois tem um rígido protocolo do planejamento agrícola à colheita, passando pelo beneficiamento, transporte, certificação, classificação até a entrega ao cliente, respeitando a preservação ambiental e a sustentabilidade.

As primeiras exportações aconteceram por meio de tradings. Após alguns anos no mercado e vendo a exportação de sua produção crescer, a SLC Agrícola decidiu dar início a um projeto de comercialização direta de seu algodão para alguns países. Para isso, um planejamento e uma imersão no mercado internacional foram realizados. China e Indonésia, reconhecidos por serem grandes importadores da commodity e com uma indústria que busca pelo melhor, foram os países-alvo para a venda direta da pluma da SLC Agrícola. Os acordos foram firmados com os principais destaques apontados pelos compradores: a qualidade da fibra fornecida pela empresa e a alta qualidade dos serviços prestados pela empresa, aplicando de forma customizada lotes padronizados, de acordo com a demanda de cada cliente.

De lá para cá, as vendas só cresceram, tanto do Brasil, quanto da SLC Agrícola para o mundo. Na safra 2015/16, o Brasil exportou cerca 603 mil toneladas, sendo que aproximadamente 101 mil toneladas foram de algodão da SLC Agrícola. Já na temporada 2019/20, o país comercializou ao exterior 2,4 milhões de toneladas e a companhia 218 mil toneladas, com um crescimento de 7,4%, em relação à safra 2018/19, quando vendeu ao mercado externo 203 mil toneladas do seu algodão. A expectativa é uma evolução a cada ano.

Os números mostram o exponencial crescimento do algodão brasileiro, e este protagonismo deve-se à qualidade do produto, amplamente reconhecida. Entre os atestados da qualidade do algodão brasileiro e da SLC Agrícola estão a etiqueta SAI (sistema de identificação da Abrapa – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), o Programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e a certificação internacional da Better Cotton Initiative (BCI).

Atualmente, cerca de 99% da produção da SLC Agrícola é para exportação, sendo uma parte para as indústrias da Ásia que buscam por uma fibra nobre, além das características específicas que cada uma pede e a companhia consegue atender. A empresa comercializa sua produção até dois anos antes de colher a fibra e o cliente compra com a certeza que vai receber o produto da melhor qualidade, referência já conquistada pela SLC em todo mundo.

O Brasil segue com a sua trajetória entre os maiores cotonicultores do mundo e em alguns anos deverá atingir o posto de maior produtor e exportador e, junto, neste protagonismo estará a SLC Agrícola, que tem um grande objetivo: entregar algodão da melhor qualidade para os seus clientes. E, para isso, se preocupa com cada detalhe de cada processo produtivo da sua fibra.

*Filipe Mamede é engenheiro agrônomo e Gerente de Vendas da SLC Agrícola

Publicações Relacionadas

SLC Agrícola integra o Summit Agronegócio 2021

A SLC Agrícola, uma das maiores produtoras mundiais de grãos e fibras, integrou a programação do Summit Agronegócio 2021, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo nos dias 16 e 17 de novembro. Com o tema “O Brasil na COP-26″, o evento debateu os assuntos abordados na 26ª Conferência do Clima, encerrada no último dia 13, após cerca de 200 países adotarem o acordo climático de Glasgow, na Escócia.

25/11/2021

SLC Agrícola alcança resultado recorde no 3º trimestre

A SLC Agrícola, uma das maiores produtoras de grão e fibras do Brasil, registrou lucro líquido de 113,7 milhões de reais no terceiro trimestre com 2,4% no 3T21 e 33,0% no 9M21 em relação ao mesmo período do ano anterior.

19/11/2021

Embrapa Cerrados apresenta resultado de estudo que reduz plantas daninhas na soja

Um estudo da Embrapa Cerrados (DF) mostrou que o plantio consorciado de grãos com gramíneas forrageiras é capaz de reduzir a incidência de plantas daninhas no cultivo da soja. Após duas safras com os sistemas, foi possível observar diminuição de até 87% do peso seco dessas espécies invasoras. Paralelamente, a técnica resultou em ganhos de 8% de produtividade média da oleaginosa. Esses resultados indicam que as gramíneas forrageiras, além de atuarem como plantas de cobertura do solo, podem ser inseridas em sistemas consorciados ou em sucessão como uma das estratégias para intensificação sustentável do sistema agrícola. 

10/11/2021

SLC Agrícola integra a programação do “ESG no Agronegócio”

A SLC Agrícola, uma das principais produtoras mundiais de grãos e fibras, integra a programação do evento “ESG no Agronegócio – A década da regeneração”, que acontece em 10 de novembro (quarta-feira), das 17h às 20h, de forma gratuita e virtual pelo YouTube. A companhia é parceira do evento e participa do painel 3 “Dimensões do ESG no Agronegócio”, às 19h, com Álvaro Dilli, Diretor de Recursos Humanos e Sustentabilidade.

08/11/2021